Técnica Pomodoro

por Cristina Bresser


Postado em 15 de Maio de 2017 às 21:22


para não perder tantas horas navegando pelas redes sociais


Tudo o que a técnica exige é um 'timer', papel e lápis - e, é claro, disciplina. Para começar a usar, basta escolher uma tarefa e acionar o 'timer' para apitar em 25 minutos, e então dedicar o tempo marcado exclusivamente ao trabalho. Nada de olhar e-mails, redes sociais, atender telefone ou sair para pegar um copo de água. Assim que o relógio alerta para o fim do tempo - chamado de Pomodoro - a pessoa deve fazer um intervalo de cerca de cinco minutos e registrar no papel que o período foi completo. Após a pausa, volta-se para a tarefa, e assim por diante. A cada quatro "pomodoros", é permitido fazer intervalos maiores, de até meia hora.

O formato foi desenvolvido na década de 1980 pelo italiano Francesco Cirillo, na época estudante, que hoje possui uma empresa de consultoria em produtividade. Em 1992, ele lançou um livro sobre o método e, a partir de 2000, a técnica foi disseminada pela internet e se popularizou em várias partes do mundo. Hoje, ela possui uma ampla comunidade virtual e uma rede de usuários engajados em divulgar boca a boca a Pomodoro como técnica preferida de gestão de tempo. O tomate presente no nome e no logo da marca veio do formato do 'timer' de cozinha que Cirillo usava para marcar seus "pomodoros" (a palavra quer dizer tomate em italiano).

Para evitar as tentações da internet, sempre que tem alguma dúvida que exija pesquisa,  anote para buscar durante os intervalos, que nunca passam de 10 minutos. É o momento de checar e-mails, ir ao banheiro, abastecer a xícara de café e se render ao hábito de navegar no Facebook. A técnica ajuda muito na concentração., principalmente quando tenho que escrever algo encomendado e a inspiração não está muito grande", completa.

Representantes do time Pomodoro, responsáveis por disseminar o "tomate" ao redor do mundo, dizem que perceberam uma grande popularização da técnica no Brasil nos últimos dois anos, a ponto de terem criado uma página oficial em português. Uma pesquisa rápida na internet mostra diversas publicações em blogs, principalmente de 'freelancers' e profissionais de tecnologia, sobre o tema. Só em 2011, foram mais de 16 mil menções ao método, em comparação a menos de 500, quatro anos atrás.

Há uma variedade grande de aplicativos de celular e softwares que auxiliam o cumprimento da técnica, servindo como 'timer' ou até bloqueando o acesso à internet durante o período de 25 minutos - alguns com mais de mil downloads em sites brasileiros. Apesar de não haver um aplicativo oficial, o criador Cirillo diz que aprecia o esforço de quem os desenvolve. "Mas ainda prefiro a simplicidade do 'timer' de cozinha mecânico", garante.

O analista de sistemas e consultor para a empresa de TI Stefanini Hélio Medeiros utiliza a ferramenta há dois anos, geralmente com o auxílio de aplicativos para o computador ou celular. "É simples de aprender, mas difícil de seguir", define. Além de treinar a disciplina, o que se tornou mais fácil com o tempo - hoje, por exemplo, ele deixa para usar a internet para lazer apenas nos intervalos maiores, de meia hora - Medeiros diz que a maior dificuldade é "mergulhar" no método no ambiente de trabalho.

Ele diz que evitar as interrupções durante os períodos de 25 minutos foi complicado a princípio, mas desde que ele apresentou a técnica para os colegas, foi mais fácil deixá-los esperando até os intervalos. Em sua equipe, onde outras pessoas também usam o método, já foram feitas até placas de "Respeite o Pomodoro", fixadas junto aos profissionais nos períodos de imersão.

O desenvolvedor completa em média 16 "pomodoros" por dia, e diz que sua produtividade melhorou consideravelmente. Também ficou mais fácil planejar as tarefas e cumprir prazos, o que lhe rendeu elogios da Stefanini e da Dell, principal cliente que atende pela empresa. "Como também trabalho em casa, a técnica é uma forma de reproduzir o ambiente com o qual estou acostumado e ter o mesmo rendimento que no escritório", diz.

Há cerca de um ano, Medeiros começou a juntar a Pomodoro com trilhas sonoras especiais para trabalhar, usando um "mash-up" de técnicas criado por Daniel Wildt, um colega da mesma área. A "Songdoro" é basicamente a Pomodoro acompanhada de músicas específicas para a ocasião, unidas ao conceito de 'power song', comum entre corredores. Medeiros explica que ao dar início ao período do Pomodoro no cronômetro, ele começa a ouvir uma seleção especial que dura 30 minutos - 25 com músicas que o ajudam a trabalhar e, ao fim, uma para relaxar.

A 'power song' é uma música mais forte escolhida para sinalizar o fim do Pomodoro. As escolhas dependem do gosto de cada um e do ritmo do dia - Medeiros, por exemplo, varia entre Nirvana e música clássica, com Marisa Monte para o intervalo.

Apesar da crescente popularidade da técnica no Brasil, a consultora de carreira Mariá Giuliese não aposta em métodos de organização de tempo como a Pomodoro. Para ela, a melhor forma de aumentar a produtividade é saber dar prioridade a tarefas, e não tentar dominar o tempo.

"As pressões externas já são formas de controle suficientes, e controle demais atrapalha", analisa. Para os momentos em que há mais dificuldade em completar uma tarefa ou em que as distrações levam a melhor, sua dica é refletir sobre o que o está impedindo. Segundo Mariá, muitas vezes o problema não está na falta de tempo, mas no fato da pessoa estar se forçando a terminar algo de que não gosta ou não tem capacidade de fazer. Para ela, o essencial é seguir o próprio ritmo. "É preciso administrar você, e não o tempo", diz.

do blog Administradores.com

 


Deixe seu comentário


Pesquisa do Blog

Cristina Bresser

Consultoria em Carreira e Desenvolvimento Humano.